O que é a convulsão febril?

A convulsão febril (CF) é o distúrbio convulsivo mais comum em crianças com menos de 5 anos de idade, acometendo cerca de 2 a 5% desta população. Existe uma clara predisposição genética: 30% das crianças com CF possuem uma história familial positiva para o distúrbio. Apesar de vários locos genéticos para CF já terem sido mapeados, certificando a heterogenicidade do distúrbio, a investigação molecular da etiologia da CF ainda está apenas começando.

As Convulsões febris resultam de um aumento da excitabilidade cerebral induzida pela febre. Não há relação entre intensidade de febre e convulsão. Mesmo febres baixas podem ocasionar crises convulsivas, na criança que já é predisposta. Existem dois grandes riscos para crianças que apresentaram uma convulsão febril: a ocorrência de novos episódios convulsivos febris e a possibilidade de evoluir para episódios convulsivos não-febris (incluindo epilepsia).

Como identificar uma crise convulsiva?
As convulsões febris, também chamadas de ataques, são contrações bruscas e sem controle dos músculos e causadas por febre. Estas convulsões são mais comuns e inofensivas. Elas tendem a ocorrer quando a criança tem febre. A febre pode ser devido a uma infecção, virótica ou bacteriana, em qualquer lugar do corpo. Sem tratamento os ataques duram de 1 a 10 minutos e revertem sem deixar sequelas. A maioria das crianças vai ter apenas um ataque na vida. Algumas terão uns três ataques. Geralmente, esse tipo de ataque deixa de ocorrer aos 5 ou 6 anos. A convulsão febril não é agradável de ser vista. Geralmente a criança revira os olhos, enrijece o corpo, bate braços ou pernas e às vezes apresenta apenas pequenos movimentos na face, como se fossem “tiques nervosos”. A criança também pode urinar ou defecar durante a convulsão. Estas alterações, ocorrem rapidamente, e o quadro, mesmo sem medicação, dura uns 10 minutos.
Quando a criança se desperta, ela geralmente está meio confusa e pode apresentar também uma diminuição da força muscular, que aparece como uma paralisia leve, de braço ou perna e que regride sozinha.

Quais são os tipos de Convulsões Febris?
O reconhecimento do padrão convulsivo é importante para limitar a propedêutica e tranqüilizar os familiares. As CF podem ser categorizadas como Simples ou Complexas. A forma simples é definida como um quadro convulsivo de resolução rápida (< 15 minutos), ocorrendo apenas uma vez durante um intervalo de 24 horas, em uma criança febril sem infecção intracraniana ou distúrbio metabólico grave.
As CF complexas possuem duração superior a 15 minutos, podem ser focais e recorrer durante um período de 24 horas. Em alguns casos, os pacientes já apresentam lesões neurológicas e/ou alterações do sistema nervoso central ou antecedente de convulsões não-febris.

Que cuidados devem ser tomados?

Proteja as vias respiratórias
Acomode seu filho deitado com a barriga para baixo para drenar a saliva. Se ele vomitar, limpe sua boca. Se a respiração ficar ruidosa, puxe o queixo para baixo. Não empurre nada na boca de seu filho.

Abaixe a febre rapidamente
Abaixar a febre, tão logo seja possível, encurta a duração do ataque. Tire as roupas dele e coloque panos molhados de água fria sobre seu rosto e pescoço. Molhe o resto do corpo com uma espoja embebida em água fria. Uma vez passado o ataque, administre paracetamol ou dipirona. A CF se repetirá, se seu filho apresentar febre novamente. Tenha um termômetro em casa e quando a febre chegar a 37,5o C, providencie um antitérmico e coloque seu filho no banho

Controle a febre
Geralmente, os ataque febris ocorrem durante o primeiro dia de uma doença. Procure controlar a febre administrando paracetamol, dipirona ou outro antitérmico (exceto aspirina), assim que aparecer o primeiro sinal de febre. Continue dando o medicamento durante as primeiras 48 horas da doença. À noite, durante o sono, certifique-se que a febre não voltou.

Use cobertores leves
Não cubra a criança com mais de um cobertor. Agasalhar-se durante o sono pode elevar a temperatura. Quanto mais febre menos agasalho.

Administre muito líquido
Faça com que seu filho tome bastante líquidos, assim que estiver mais acordado.

Outras causas de convulsão:
A convulsão é a manifestação inicial da meningite em 15% dos casos infantis. Em até 1/3 dos casos, os sinais e sintomas meníngeos estão ausentes. Mesmo que a convulsão seja superada, procure um serviço de urgência, pra que um pediatra faça uma avaliação de seu filho.
Outras doenças também podem estar causando a convulsão, tais como encefalites, doenças sistêmicas, trauma craniano, intoxicação, hipoglicemia, etc. Essas alternativas, além da possibilidade de tratar-se de um paciente verdadeiramente epiléptico e febril, devem ser consideradas.

Prognóstico
O risco de apresentar convulsões febris simples recorrentes varia, dependendo da idade. Crianças com idade inferior a 12 meses, quando do primeiro ataque febril, possuem uma probabilidade de 50% de apresentar crises convulsivas febris subseqüentes. Crianças com mais de 12 meses possuem uma chance de apenas 30% de sofrer um novo ataque. Entre as crianças que sofrem uma segunda convulsão febril, metade apresenta recorrência do episódio.

Fonte:  Bibliomed, Inc.
This entry was posted in Dicas de Saúde and tagged , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Comments are closed.